Michael Brown: de viciado a discípulo de Yeshua

Quando Michael tinha 15 anos, ele poderia consumir mais drogas do que qualquer um de seus amigos. Em uma tentativa de tirar seus amigos da igreja, o amor do povo e a mensagem do Evangelho tocou seu coração. Mas como pode um judeu acreditar em Jesus? Observe o seu testemunho: “De viciado a discípulo de Yeshua”.





Legendas de vídeo youtube

Eu nunca vou esquecer o que me aconteceu nesta esquina da rua no primeiro final de semana de setembro 1971 Eu tinha usado drogas como que para 30 pessoas, fazendo honra à minha reputação de “urso das drogas” Mas desta vez eu fui longe demais. Ao deixar o ponto de ônibus, eu fiquei desorientado e me perdi a poucos quarteirões da minha casa. Sentei-me ali mesmo. À 1:30h da manhã. Eu achei que eu estava ficando louco. Eu pensei que eu tinha morrido e tinha ido para o inferno. Mas o que aconteceu depois, mostra que a realidade é mais estranha do que a ficção. Junte-se a minha viagem de LSD para Ph.D. No colégio, eu tinha o apelido de “Urso das drogas” e “Homem de Aço” Mas desta vez eu fui longe demais. 28 gr. de mescalina era demais, até mesmo para mim. Sentado aqui neste canto, à 1:30h da manhã Eu pensei que tudo havia acabado, e comecei a gritar: “Estou me queimando no inferno!” “Estou me assando no inferno!” E então, para minha surpresa, um amigo dos meus pais passou por aqui com seu cachorro. Eu ainda me lembro de pensar: “Por que ele está passeando com seu cachorro no inferno?” Quando ele foi embora eu tomei uma decisão: “Eu vou fazer como eles fazem nos filmes” “Eu vou acabar com tudo.” “Quando o próximo carro passar, eu vou pular na frente dele.” Poucos minutos depois, ouvi um som vindo deste canto. Era um carro chegando, e pensei: “este é o meu momento.” Vi luzes e ouvi o som dos freios para virar a esquina. Eu pulei na frente do carro, coloquei minhas mãos para cima e o carro parou… apenas alguns centímetros de mim. Eram os meus pais. Se fosse qualquer outra pessoa, eu estaria morto. Mas o que eu estava fazendo lá? Eu ainda não entendo. Como poderia um bom menino judeu como eu chegar a um tal estado? Por que estava eu pensando sobre o inferno? Deixe-me voltar para o início. Eu nasci na cidade de Nova York em 1955. Meu pai era o principal advogado no Supremo Tribunal de Nova York. Ele e minha mãe estavam felizmente casados. Minha educação foi típica das crianças judias conservadoras na Nova York naqueles dias. Nós nos mudamos para Long Island. Eu tinha cerca de 7 anos de idade. Como a maioria dos meus amigos, eu me divertia, praticava esportes, ia para a escola e ficava longe dos problemas. Mas então, algo mudou. Tudo começou inocentemente. Eu comecei a tocar bateria quando tinha 8 anos de idade, e realmente me dediquei. Eu tinha aulas particulares. Até toquei num álbum de estúdio com a idade de 15 anos. Mas a minha música favorita era rock e, depois do meu Bar Mitzvah na sinagoga em 1968, Eu queria estar em uma banda de rock. E depois, naquele ano, eu vi a banda ” The Jimmy Hendrix Experience” Eu queria ser como Jimmy e sua banda! Então, quando eu tinha apenas 14 anos, alguém me ofereceu maconha. Eu pensei: “Eu vou tentar me drogar.” Mas nada aconteceu comigo quando eu fumei. Fiquei intrigado, então eu tentei fumar haxixe e outras drogas mais pesadas, e ainda assim nada aconteceu. Então, eu comecei a usar LSD e realmente entrar nas drogas. Mas eu disse a mim mesmo, é isso aí, esse é o lugar onde eu coloco o limite, Eu não vou usar nada mais pesado do que isso. O problema é que nós podemos nos enganar tão facilmente quanto podemos enganar os outros E não percebi que eu estava numa ladeira muito escorregadia Logo eu comecei a usar Speed. Depois eu comecei a me injetar Speed. Claro, que eu tinha certeza que eu nunca iria colocar uma agulha em meu braço. Então eu descobri heroína e comecei a injetar heroína, e adorei. Eu tinha apenas 15 anos de idade. Quando eu tinha 16 anos, minhas notas escolares começaram a cair. Minha vida estava cheia de drogas, rock e rebelião. Meus amigos e eu fizemos coisas muito malucas. Invadimos algumas casas apenas para nos divertir. Até mesmo num consultório médico. Fizemos experiências com as drogas que encontramos lá dentro, de fato, usamos adrenalina. Nós fizemos outra coisa muito louca. Eu vou te mostrar. Queríamos levar as coisas ao extremo. Então, duas vezes meus amigos e eu subimos ao topo dessa chaminé gigante. Eu quero dizer a mais alta, e fumamos maconha lá. Só para fazer algo selvagem. Nós éramos “cool”, fazía-mos o que quería-mos Um dia nós seríamos estrelas do rock famosas. Deus tinha outros planos. Meus dois melhores amigos gostaram de duas irmãs, cujo tio era um pastor e o pai delas estava orando há anos por elas. As meninas começaram a frequentar esta pequena igreja Elas se envolveram lá. Então, meus amigos iam à igreja apenas para passar tempo com elas E eles também se envolveram e se interessaram. A pergunta é: “Quê coisa nesse mundo poderia interessar a dois absolutamente não-religiosos hippies viciados em drogas?” Porque não há nenhuma dúvida de que estávamos em condições precárias. Nós estávamos injetando drogas em nossas veias! Aparentemente, nós estávamos curtindo a vida, drogando-nos. Mas quando você combina drogas com a música rock, ouve música, toca música, vai a concertos, etc. Tudo isso leva você a um mundo totalmente novo. E eu vivia para estes concertos; eu vi Janis Joplin, Jim Morrison, The Doors, etc. Eu ia ao “Fillmore East” umas tantas vezes, para ver The Who e Jefferson Airplane, Grateful Dead, Led Zeppelin e Ten Years After, e todos estes diferentes grupos. Mas havia algo mais em jogo, além de drogas e rock. Parecia que naqueles dias todo mundo estava falando sobre as coisas espirituais, todo mundo estava falando sobre a vida após a morte, a realidade essencial. Então nós nos drogávamos, ouvíamos música, tocávamos música e especulávamos. Então, quando meus amigos começaram a assistir aos serviços religiosos, algo interessante aconteceu. As pessoas dessa pequena igreja falavam de Deus como se elas O conhecessem pessoalmente. Eles falavam sobre as experiências sobrenaturais que eles tinham. E lentamente, meus amigos começaram a ser tocados. “Why people turn to God?” Por que as pessoas se voltam para Deus? Algumas pessoas se voltam para alguma coisa para preencher o seu vazio. Se há vazio numa vida, as pessoas recorrem a algo que pode preencher esse vazio. Infelizmente, alguns se voltam para a religião como uma espécie de fórmula garantida, mas outros vão se tornar para um verdadeiro relacionamento com Deus, e então vão ser curados. Todo mundo precisa em sua vida algo para se agarrar pode ser a religião, pode ser viver uma vida boa, Pode ser a família, pode ser Jesus. Antes de me voltar para o cristianismo, Quero dizer, tinha me sido incutido à força quando eu era criança, e por um longo período da minha vida, eu senti que ele não se aplicava à mim. Eu fiz um monte de coisas ruins, as coisas que os rapazes fazem. Entendeu? Quando você está começando a se tornar um homem jovem. Eu só acreditei mesmo em algo. Quando meus amigos realmente começaram a mudar, eu disse: “Chega!” “Eu vou tirá-los dessa religião absurda.” Eles haviam sido criados como cristãos nominais, mas agora eles realmente acreditavam em Jesus. Eles eram diferentes, eles já não queriam mais ir às festas comigo. Então eu tomei uma decisão. Em Agosto de 1971, eu tinha dezesseis anos de idade Eu disse: Eu vou entrar neste prédio da igreja chamada “A Assembleia de Deus de Springfield” (É aí que meus amigos estavam indo) “Eu vou tirar sarro dessa religião.” Em vez disso, eu fui confrontado com o amor genuíno. Lá estava eu, com meu cabelo comprido, aparência hippie, atitude ruim e espírito mesquinho. E essas pessoas mais velhas, com terno e gravata e vestidos, me abraçaram. E, sem que eu soubesse, alguns deles tomaram uma decisão, A partir daquele dia eles iam começar a orar por mim. Agora, se não há Deus, a oração é apenas uma prática sem sentido. Lembro-me que, durante os meus dias de drogas, eu fui com meus pais para um serviço, uma festa importante na sinagoga, eu estava lendo o livro de orações e esses louvores a Deus, E eu disse a mim mesmo: “Parece que Deus é uma espécie de egomaníaco tremendo.” Para mim, era tudo apenas uma brincadeira, e eu vivía uma vida decadente e má. Para você entender: Quando eu fui pela primeira vez à igreja, uma menina escreveu em seu diário: “O Anticristo veio à igreja.” Eu havia pecado de todos os jeitos que eu podia. Eu até roubei dinheiro do meu próprio pai! Eu traí meus melhores amigos. Eu usei todas as drogas eu pude, desde o pó de anjo à cocaína; Eu injetei LSD em mim, sem qualquer consequência física! E o mais absurdo é que, por dois anos inteiros, eu nunca me senti culpado. E então essas pessoas começaram a orar, e algo começou a acontecer debaixo da minha pele. Comecei a me sentir como um miserável. Eu usava drogas como eu sempre fazia e tentava ir dormir, como eu sempre fazia, mas eu não conseguia. Eu ficava acordado a noite, me sentindo um miserável: “O que você está fazendo para seus pais e seus amigos?” “Que tipo de miserável é você? ” A Bíblia chama isso de “convicção de pecado”. E isso era o que estava acontecendo comigo. Você já foi encontrado por Deus? Finalmente, no dia 12 de novembro de 1971, concordei em assistir a outro culto na igreja. Sendo judeu, assistir à igreja era desconfortável para mim, mas esse não era o meu maior problema. O meu maior problema era o orgulho. Eu não queria admitir que eu estava errado. O segundo problema era o meu estilo de vida. Eu amava o jeito em que eu estava vivendo, apesar da culpa que eu sentia. Por mais que Deus fosse real e Jesus fosse o Salvador, Eu não queria mudar. Eu queria ser uma estrela do rock. No final do culto, o pastor perguntou se havia alguém ali que queria receber Jesus Eu não sabia o que isso significava. Mas eu pensei: “Eu vou para a frente, e todas aquelas pessoas mais velhas que estavam orando por mim, eles realmente vão se surpreender porque é muito óbvio que eu sou um pecador Então eu fui, e ele disse: “repete esta oração.” E enquanto eu disse as palavras, alguma coisa aconteceu. Foi como se uma luz se ascendesse dentro de mim, e eu percebi que eu realmente acreditava nisso. Eu realmente acreditei que Jesus morreu pelos meus pecados. Eu pensei: “Isso é real.” Mas eu tinha um problema, eu não queria mudar. Eu havia comprado cocaína de alta qualidade e eu estava determinado: Eu estava indo para casa e usaria cocaína naquela noite. Então eu orei a Deus assim: “Deus, quando eu chegar em casa hoje à noite, se não fôr da sua vontade eu me drogar, quando eu usar a cocaína, não deixe nada acontecer comigo.” De fato, eu fumei pó de anjo e depois usei cocaína, e nada aconteceu. Isso chamou a minha atenção. Eu pensei: “Tá bom, isso é sério.” Então por 6 semanas eu estive indo e voltando. Indo e voltando. Eu usava droga um dia, e no outro dia ía à igreja. Eu me injetava heroína um dia, e no dia seguinte ía à igreja Finalmente, o 17 de dezembro de 1971, naquele pequeno prédio da igreja Eu fui preenchido com a alegria de Deus. Eu tive uma verdadeira revelação do quanto Deus me ama! E eu pensei: “Como posso eu estar vivendo desse jeito?!” E naquele momento eu disse: “Chega!” “Eu nunca mais vou colocar uma agulha em meu braço de novo.” E a partir daquele dia, eu mudei radicalmente. Meus pais ficaram muito contentes ao ver a mudança em minha vida. Afinal, eles estavam muito preocupados com as drogas que eu estava usando. Mas, em seguida, meu pai disse: “Isso é ótimo, mas agora você tem que retornar ao Judaísmo” Então, ele me levou para conhecer o rabino local. Fiquei muito feliz por falar com ele sobre a minha fé. Depois de alguns meses de diálogo, ele disse: “Você tem que conhecer alguns outros judeus.” “Judeus mais religiosos. Eles são religiosos como você, exceto que eles estão certos.” Ele disse: “Seu problema é que você não sabe o que é o verdadeiro Judaísmo” “porque você não foi educado no Judaísmo tradicional.” Então, ele me levou para o Brooklyn para conhecer alguns dos Judeus ultra ortodoxos. Eles eram da Barbera Chassídico, e alguns dos rabinos eram especialistas em lidar com jovens como eu. Comecei a conversar com essas pessoas. Eles pareciam muito sérios, pareciam voltados para o espiritual. Fomos para a sua sinagoga. Eu vi todos aqueles homens com barbas longas, orando. Eu nunca tinha visto nada assim. eles pareciam muito mais Judeus do que eu, indo à igreja. E então nós nos sentamos e conversamos, e passamos de uma Escritura para outra. Mas eles tinham uma resposta para tudo o que eu dizia. Embora alguns de seus argumentos não parecessem ser tão fortes, Eu não conseguia convencê-los do que eu acreditava. E eles se sentaram ali, com as suas Bíblias Hebráicas abertas, Eles estudaram Hebraico desde que eram crianças. Eu não conseguia nem ler. Mal podia lembrar o alfabeto. Eu tinha uma tradução em Inglês. Eles foram amigáveis, mas continuaram me dizendo: “Você sabia?” “Essas traduções em Inglês são absolutamente terríveis.” Eu tinha um problema: Eu sabia que eu tinha uma verdadera experiência com Deus, Eu sabia que a minha fé em Jesus era real, mas eu também sabia que eu precisava poder responder às objeções desses rabinos. Então eu tomei uma decisão: eu ía descobrir por mim mesmo, Eu ia estudar Hebraico, eu ía aprender as línguas Bíblicas, Eu ía descobrir tudo sobre o Judaísmo tradicional, e eu ía seguir a verdade, não importa onde ela me levasse. Eu tinha que fazê-lo – Não precisa ser cortês ou educado, basta ser honesto: Por que você acha que as pessoas se voltam para Deus? – Eles estão com medo da morte. – Pessoas sem lar espiritual. – algo para segurar. O seu último recurso quando você bate no fundo do poço. – Mas e se eu estou completamente feliz com a minha vida? Como no meu caso: eu realmente estava envolvido em drogas, Eu queria ser uma estrela do rock. Tocava bateria em uma banda de rock. Então eu estava muito feliz, vivendo uma vida louca. Isso estava bem? – Sim. – Não! Você chegou ao fundo do poço em algum momento? – Não. Eu gostava do jeito que eu estava vivendo. Mas eu cheguei à conclusão de que Deus não gostava. Em outras palavras, não é só a minha realidade. É assim que a maioria de nós vive: “é apenas o meu espaço”. “O que me faz sentir bem, é isso que eu quero fazer.” Mas a pergunta é: Existe um conceito absoluto do bem e do mal? Uma realidade absoluta? Assim, mesmo se eu gosto do que eu estou fazendo, talvez Deus não goste – Eu fui criada como uma cristã muito conservadora, mas agora eu não tenho tanta certeza disso. – Isso não é interessante? O que faz você insegura? – Eu não sei. Simplesmente não sei. – Sim, você sabe. – Por que é essa a única maneira certa? – É a pressão da família dela. – Por que tem que ser esse o único caminho certo? Se você é uma boa pessoa… O que vai ser de todas as outras pessoas que acreditam outras coisas? – Então, essa é a questião: Vamos dizer: “Eu acho que isso aqui é a Califórnia e você acha que é a Mongólia E você acredita que é Montana e você acha que é Puerto Rico. Nós podemos acreditar de coração, e dizer: “Eu sei! meus país me disseram…” Isso não muda a verdade. O que você acha dos judeus que acreditam em Jesus? Jesus era um judeu E a igreja do primeiro século era quase inteiramente judaica em seus estágios iniciais. Então é muito judeu acreditar em Jesus Para nós é um mistério, quem é o próximo Messias. Portanto, não podemos dizer qual é o nome Dele e qualquer um que vier é bem-vindo. Não existe isso de “Judeus para Jesus”. Você é judeu ou você não é judeu. Mas você não é um judeu para Jesus. Então, quão seriamente levei eu as objeções dos rabinos? Um dia, depois de passar um par de horas com eles, eu fui para casa e orei a Deus Eu clamei a Deus: “Se é errado para mim como judeu acreditar em Jesus, eu vou abandonar a fé, tão bobo quanto possa parecer.” “Mas, se Jesus é realmente o nosso Messias, eu vou seguí-Lo, não importa quanta rejeição tenha eu que experimentar do meu próprio povo.” Olha, se eu estava disposto a ir contra a corrente pelas drogas e o rock Claro que eu posso ir contra a corrente por Deus! Você sabe? Ao longo dos anos eu encontrei algo muito interessante: As pessoas estão tão paralisadas pela opinião dos outros, eles estão tão hipnotizados pela tradição religiosa, que nem mesmo param para perguntar a Deus se eles estão fazendo a coisa certa. Nem mesmo exploram a possibilidade de que Jesus realmente poderia ser o nosso Messias, depois de tudo. A maioria dos que me criticaram, não pararam e olharam em seus próprios corações, ou em suas próprias vidas. Quanto a mim, eu não poderia viver assim. Eu estava determinado a chegar ao âmago das coisas. Então eu passei mais tempo com os rabinos. Passei o Yom Kippur (o Dia da Expiação) com a família Babich, só para obter uma visão interna E eu dediquei-me a estudar. Eu obtive o grau de Bacharel em Hebraico, em seguida, obtive um mestrado e um doutorado em Línguas e Literaturas do Oriente Médio, da Universidade de Nova York. Eu não queria depender de dicionários. Eu não queria ler o que dizem os comentários. Eu queria ler o texto original por mim mesmo. Estudei cada objeção rabinical possível que eu poderia encontrar. Olha, se a verdade está do nosso lado, não temos nada a temer Então eu debati, diáloguei, discuti sobre diferentes coisas com rabinos, missionários e profissionais judeus. Eu fiz tantos debates públicos quanto pude. Na verdade eu fiz uma regra: antes de cada debate, nós íamos assinar um acordo que o debate estaria disponível para o público, na íntegra e sem edição. Deixe-me dizer de novo: Não temos nada a esconder. Mas, depois de um tempo, algo estranho aconteceu. Quanto mais eu estudava, quanto mais eu aprendia, menor o número de debates que eu tinha Na verdade, ao longo de um período de 7 anos, não houve um único rabino disposto a debater comigo. Temos de começar a nos perguntar: Será que poderia haver uma evidência sólida para a nossa fé? Será que as Escrituras Hebraicas na verdade apontam para Jesus, Yeshua, como o Messias? Será posível que os rabinos estejam errados? – Como você pode ter certeza absoluta? Eu tenho 100% de certeza. Eu poderia morrer por isso agora, sem dúvida alguma. O que poderia fazer você ter a certeza absoluta? – Sobre o que? – Sobre se existe realmente um Deus; se é Jesus verdadeiramente o Salvador; se é este o caminho de Deus? – O que é a fé? – É no que você acredita. – Como você pode ter certeza? Bem, não é matemática. Entendeu? Não é algo que você pode provar. – Mas, Deus pode deixar você saber? – Eu acho que há algum conhecimento que você tem dentro, Entendeu? Mas, como você pode chegar a isso? É o seu próprio caminho. Se você pode ajudar os outros a chegar a esse caminho, isso é bom. Você deve encontrar por si mesmo. – Então, aqui está o que eu apresento a vocês: Deus pode Se fazer conhecido Como quando alguém sabe que está apaixonado e quer passar o resto da vida juntos Quando você acha uma paixão e sabe: “Foi para isso que eu fui feito.” Deus pode deixar você saber ao certo. Se você está sozinho em seu quarto, quando ninguém está olhando, e não há pressão. Basta dizer: “Deus, se isso é verdade deixe-me saber, de modo tal que nada pode me tirar a convição.” – Ele sabe como fazer isso. – Ele fez isso com você? -Claro. -Como? – Foi um processo de 5 semanas, a partir do 12 de novembro até o 17 de dezembro de 1971. Quando eu comecei a sentir, no fundo do meu ser, que a forma como eu estava vivendo era errada diante de Deus Por dois anos inteiros, eu nunca tinha me importado. Eu nunca me senti culpado. E então uma noite, no 17 de dezembro de 1971, em um pequeno culto na igreja, estávamos cantando cantigas tolas. (Eu estava acostumado a ouvir Led Zeppelin, Jimi Hendrix.) Através destes pequenos hinos da igreja, eu fui inundado com um sentimento do amor de Deus por mim. Eu entendi que Ele se importa comigo como ninguém. Jesus realmente morreu por mim. E sua alegria encheu-me de um jeito diferente de qualquer experiência que eu já tinha conhecido, seja boa ou ruim. você sabe, drogas e esse tipo de coisas. Essa alegria transbordou através de mim. E eu conheci a realidade do amor de Deus. E, nesse momento, eu disse que nunca iria espetar uma agulha em meu braço novamente. Isso foi há mais de 35 anos atrás. – O que você tem feito durante esses 35 anos? – Bem, eu sou casado há 31 anos, 2 filhos, quatro netos, um PhD da Universidade de Nova York, Eu escrevi 20 livros, tenho viajado pelo mundo, sou presidente de três institutos bíblicos… – Tá bom…! – Tento ajudar as pessoas. Essas pessoas fizeram algumas perguntas muito boas. Como você responde a isso? Todas as diferentes religiões do mundo, o hinduísmo, o budismo, os muçulmanos, todos eles acham que eles estão certos. Mas você vê? Essa é a maior prova de que algo está errado, porque nem todos podem estar certos ao mesmo tempo. Especialmente quando alguns deles dizem ser o único caminho verdadeiro a Deus. Como judeu, você pode dizer: “Eu tenho o judaísmo” mas o que do resto do mundo? e das outras pessoas? O Judaísmo, por definição, é para os judeus Mas Jesus, por definição, é para todos Não importa o quão longe você esteja de Deus, não importa quão bom ou ruim você foi todos nós somos falhos, todos precisamos de misericórdia e de ajuda e essa é a mensagem de Jesus, essa é a mensagem do Evangelho que literalmente significa “boa notícia”. Deus, o Filho, tomou todos os nossos pecados, defeitos e falhas e morreu para que pudéssemos viver. Você diz: Como podemos ter certeza disso? Todas essas outras pessoas, todas essas opiniões. Como podemos ter tanta certeza? Essa é exatamente a pergunta daquelas pessoas E a resposta é simples: Deus pode deixar você saber. Deus pode fazer você saber com certeza. Ele pode operar em sua vida de modo tal que você não tenha mais dúvida. Não só a satisfação em sua mente, mas nas profundezas do seu coração, Você pode chegar à absoluta convicção de que Ele é verdadeiro e que Jesus é o único caminho ao Pai. Então deixe-me perguntar-lhe isto: Será que é tão difícil parar e pedir a Deus, sinceramente do seu coração? “Deus, me mostre a verdade e eu a seguirei.” Será que é realmente tão difícil de fazer isso? Você pergunta, Ele vai responder, e você vai ficar surpreso com o que acontecer.