Sharon Allen, eu não posso desistir de Jesus

Sharon AllenSharon Allen participou ativamente no ultra ortodoxo centro Chabad, no sul da Califórnia. Porém ela começou a procurar a verdade sobre o Messias.

Nascida e criada em um lar judeu praticante, quando jovem me casei com um homem que tinha uma educação judaica semelhante. Tivemos uma filha, a quem chamamos de Elisa. Quando ela tinha apenas alguns anos, nos divorciamos. Elisa e eu nos mudamos para Orange Country, onde conheci meu novo e atual marido, Ron Allen. Ele sabia que eu era judia e que fui criada em uma família judia ortodoxa. Tudo o que eu sabia sobre a formação religiosa do Ron é que ele era um protestante. Ele não tinha ido à igreja desde que ele era adolescente. Quando Ron conheceu nossas tradições judaicas, abraçou-as como suas próprias e participou com entusiasmo. Participamos ativamente no Chabad e chegamos muito perto do rabino Mendel Duchman, que era admirado e respeitado por nós.

Conversão ao Judaísmo

Ter um lar judaico e educar a Elisa no judaísmo era a minha prioridade. Então, para mim, ficou claro que Ron deveria ter uma conversão kasher à fé judaica. Eu contei ao Ron sobre as três cerimônias que seriam necessárias. Expliquei-lhe que os homens devem ser circuncidados. Também teria que ter uma imersão em água em um micvê. A terceira cerimônia consistia na renúncia às crenças pessoais anteriores diante de um Beit Din (Conselho de rabinos).

Ron concordou com todas as cerimônias, exceto a última. Ele disse que ele não acreditava que ele poderia renunciar a Jesus. Eu fiquei horrorizada! Meu marido nunca tinha mencionado a Jesus, não frequentava a igreja há mais de 30 anos e nunca tinha usado as palavras “cristão”, “Cristo” ou “Novo Testamento”. E agora ele estava me dizendo que ele não poderia desistir de Jesus! Eu fiquei com muita raiva. Eu disse ao meu marido, “Isso é uma loucura. Você é uma pessoa inteligente e lógica, um empresário bem sucedido. Como pode você acreditar em algo tão pagão?” E então, no meio do meu horror, um pensamento tranquilizante me veio à mente: “Eu vou começar a ler a Bíblia judaica, e em breve eu vou ser capaz de mostrar ao meu marido como as escrituras comprovam que Jesus nunca poderia ter sido o cumprimento da Bíblia judaica”.

Jesus na Bíblia

Naquela manhã eu comecei a ler a minha Bíblia. Orei ao Deus de Abraão, Isaque e Jacó que me mostrasse a verdade e ajudasse o meu marido a tornar-se judeu. Eu comecei e continuei lendo página após página. Fiquei espantada com o que encontrei escrito nas páginas da Bíblia judaica sobre o Messias: onde nasceu, como ele iria viver, os milagres que faria. A Bíblia também fala sobre Seus sofrimentos e morte. Me assustei, porque o que eu li parecia muito semelhante ao que eu ouvi falar de Jesus.

Comentários judeus

Quando eu terminei de ler a minha Bíblia, eu estava confusa e com medo. Um pensamento veio à minha mente: Sharon, como ousa pensar que você poderia interpretar a Bíblia por si mesma, como se você soubesse tanto quanto um rabino. Lembrei-me que os rabinos dizem, “Você não pode entender a Bíblia sem um comentário judeu.” Então eu comprei vários comentários. Eu estudei e estudei, com a esperança de encontrar a chave para destruir a ideia de que este Cristo das nações era o “autêntico” Messias judeu. Durante os meses seguintes a minha biblioteca em casa cresceu. E os meus medos se multiplicaram em proporção à quantidade de livros acumulados.

Pedindo ajuda

Até aquele momento eu tinha estudado em sigilo. Só a minha família sabia o que eu estava lendo. Mas havia chegado a hora de buscar ajuda externa, então liguei para Mendel e Rochel e disse-lhes que quando eu lia a Bíblia, eu via Jesus. Eu pedi a Mendel para me ajudar. Mendel conhecia um profissional que trabalha com pessoas como eu. Duas noites depois, recebi uma chamada do rabino Ben Tzion Kravitz. Contei-lhe um pouco sobre a minha pesquisa e expliquei como tudo começou. Ele veio para nossa casa e durante as próximas 10 horas o rabino e eu conversamos sobre a Bíblia, a história judaica e sua tradição. Depois de muitas discussões, o rabino sugeriu que eu falasse com outra pessoa. Ele recomendou Gerald Sigal em Brooklyn, Nova York, autor de “A resposta judaica aos missionários cristãos”. Nossas conversas continuaram por um tempo, até que o senhor Sigal disse ao rabino Kravitz que eu “tinha ido longe demais” para ser ajudada. O rabino Kravitz estava com raiva de mim e me acusou de não querer realmente saber a verdade. O rabino não entendeu que eu estava desesperadamente procurando a verdade e que iria chegar onde fosse para encontrá-la!

Ponto de viragem

Pouco tempo depois, eu recebi uma chamada do rabino Duchman. Ele me falou sobre um desprogramador conhecido internacionalmente, rabino J. Immanuel Schochet, que em breve daria uma conferência na escola da minha filha. Aquela noite acabou por ser um ponto de viragem na minha busca pela verdade. O discurso do rabino estava focado em uma visão geral da vida judaica em casa e nos problemas que enfrenta a família. Quando o rabino terminou seu discurso, deu a oportunidade de fazer perguntas. Alguém expressou preocupação sobre os missionários que querem ensinar seus filhos sobre Jesus, e então um homem perguntou o que deveria ser feito se a criança viesse para casa com dúvidas sobre as Escrituras com que ele, como o pai judeu, não está familiarizado. Naquele momento, o rabino Schochet agarrou os lados do púlpito e gritou para o público: “Nunca, em circunstância nenhuma, pode um judeu informado alguma vez se voltar para Àquele Homem!” (“Àquele Homem” é o nome com o qual os judeus chamam Jesus quando eles não querem dizer o nome dele).

Eu senti que o rabino estava falando diretamente para mim, por isso eu levantei a minha mão e perguntei: “rabino, o que você diria para alguém como eu, que sabe Yiddishkeit, que segue o judaísmo, que tem um lar judeu, e mesmo assim, quando eu leio a minha Bíblia judaica, eu vejo “Àquele Homem?” Minha pergunta caiu como uma bomba. Durante as próximas horas nós falamos sobre Yiddishkeit, costumes judaicos, a Bíblia e outros assuntos. Como a meia-noite se aproximava, o rabino estava ansioso para fechar o encontro, então ele disse o que ele acreditava que eram as palavras que iriam mostrar a mim e ao resto do povo que estava lá que Jesus não poderia ser o Messias prometido. Ele gritou para a multidão que Jesus tinha cometido blasfêmia na cruz. Em seguida, num tom de zombaria e irritado, o rabino citou Jesus dizendo: “Meu Deus! Meu Deus! Por que me abandonaste?” Fiquei horrorizada com o tom de voz do rabino Schochet e sua acusação de que Jesus cometeu blasfêmia. Achei incrível que, em sua raiva, aparentemente se esqueceu de que a afirmação que Jesus fez na cruz foi dita pela primeira vez pelo nosso amado Rei Davi, no Salmo 22. Poderia qualquer judeu se atrever a dizer que Davi cometeu blasfêmia? Naquela noite eu disse ao meu marido e à minha filha, ” Eu já não tenho mais nenhuma dúvida… Jesus é o meu Messias judeu.”